AMOR VAZANTE – PEDRO GALUCHI

SEMANA - 13/07/2015

Nossos nomes gravados na areia
apagou a maré cheia
na vazante do amor
Seu coração andarilho
arrastou ao meu do trilho
resultando mágoa e dor
Fica-me o peito em frangalho
antevendo a morte no atalho
aguardando ansiosa
Paixão, coisa fútil, ilusória
tal imaginar história
de sua volta graciosa
De que me serve a gare do trem
se o meu amor não vem?
A cada hora mais distante
Pra que passar noites na areia
Se seu canto de sereia
foi encanto de um instante

Copyright © 2015 - Todos Direitos Reservados a Pedro Galuchi - Reprodução Proibida

Pedro Galuchi
Acesse a página do poeta:

Um comentário:

  1. Parabéns, Pedro, pelo seu belo e intenso poema! beijos ternos,

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu contato.

Beijos poéticos,
Marcela Re Ribeiro