O ESPELHO - MENA AZEVEDO


Do outro lado, vi-me no espelho
Atraente, faces rubras. Pele bronzeada
Riso solto, olhar incerto com receio
De me fugir dessa imagem rosada.

A realidade, porém me convidou a ver
Uma face mais pálida, uma pele mais clara
Sem o riso de outrora e outro olhar a envolver
Um mundo concreto, cuja imagem não fala.

O frescor da beleza viajou com o tempo
Esvaiu-se a graça da infância perdida
Que o meu interior erigiu como estátua
Para viver da lembrança querida.

Sentimentos narcisistas ficaram para trás
O mundo ensinou-me a ver de olhos abertos
Para não me perder no fantasma que só faz
Angustiar e aprisionar pensamentos concretos.

Copyright © 2015 - Todos Direitos Reservados a Mena Azevedo - Reprodução Proibida

Mena Azevedo
Acesse a página da poetisa:

Significado de algumas palavras:
Esvaiu: desapareceu; dissipou; evaporou. (verbo transitivo direto e verbo pronominal)
Erigiu: alçou; criou; estabeleceu; fundou; levantou. (verbo pronominal, verbo transitivo direto e verbo transitivo direto e indireto)

Narcisista: Que tende a estar completamente centrado em si mesmo, geralmente voltado para sua própria imagem. (adjetivo e substantivo de dois gêneros)

2 comentários:

  1. Boa tarde Nena, teus versos enredam uma personagem que consegue reduzir o seu ego para um patamar conciliador, e não destrutor, parabéns pelo redundante poema, um abraço, MJ.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, poeta Miguel! Abraço!

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu contato.

Beijos poéticos,
Marcela Re Ribeiro