OUTONO - ODIR MILANEZ

SEMANA - 06/05/2015

Da minha vida amargo o abandono,
às cigarras ouvindo os descompassos.
A viver os instantes de meu sono,
veem vultos verbais meus olhos baços.

Eu já não me pertenço e nem me abono,
Abraços já não beijo. Estou sem braços.
Despedido sem mim, dou-me sem dono
e me farto das falhas e fracassos...

A cruz me pesa, pesam-me os cansaços,
pesa-me ao verso a dor que adiciono
E que deixa meus versos em pedaços!

Em ser feliz não mais ambiciono.
Das felícias rompi todos os laços
Para assumir-me um ser somente outono...

Copyright © 2015 - Todos Direitos Reservados a Odir Milanez - Reprodução Proibida

Odir Milanez
Acesse a página do poeta:


Significado de algumas palavras:
Baço - Que não possui brilho ou que deixou de o possuir; embaciado. (adjetivo)
Felícia - Felicidade. (substantivo/feminino)


4 comentários:

  1. Bom dia Odir, teus versos enredam a vida como ela é permeada por virtudes, e desalentos, parabéns pelo incisivos versos, um abraço, MJ.

    ResponderExcluir
  2. Muito doce, suave como o outono. AMEI!

    ResponderExcluir
  3. Poeta Odir, muito bonito seu poema "OUTONO". Como o próprio outono tem suas nuances, seu poema também tem as belas nuances de uma poesia inspirada.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu contato.

Beijos poéticos,
Marcela Re Ribeiro